segunda-feira, 15 de outubro de 2018

OS INCRÉUS E A SAGRADA EUCARISTIA

                                                                            


                                                              Barros Alves

Em face de episódios protagonizados em um templo católico por duas personalidades de expressão nacional, à vista de todos, trato dessa questão do ponto de vista dos ensinamentos dos escritos evangélicos e do magistério da Igreja Católica. Por primeiro, devo dizer que a ninguém é dado apontar o dedo condenando expressões de fé de outrem. Todavia, constitui pecado de omissão calar diante de atitudes sacrílegas em face da hipocrisia ou de ações piedosas praticadas por confessos anticristãos, cujo objetivo é unicamente enganar a boa fé de muitos e a ingenuidade de outros tantos.  O senhor Fernando Haddad e a senhora Manuela d’Ávila, respectivamente candidatos a presidente da República e a vice, são notórios e autodeclarados marxistas e ateus. Com o sacrílego beneplácito de um sacerdote católico, indigno da missão para o qual foi ordenado, os dois, em aberta campanha eleitoral, de forma afrontosa aos princípios mais caros à liturgia cristã, receberam o Santíssimo Sacramento da Eucaristia como se católicos praticantes fossem. Santo Inácio, terceiro Bispo de Antioquia, que conviveu com os apóstolos (séc. 1º d.C), na Carta que escreveu aos Efésios adverte, que devemos fugir daqueles que usam o nome de Deus, mas o desonram por suas obras: “Evitai-os como a feras: são cães raivosos, mordem insidiosamente. Precavei-vos quanto a eles, são difíceis de curar.” O mesmo Santo Padre na mesma epístola diz que a comunhão só pode ser recebida “em estado de graça.” A Sagrada Eucaristia constitui a plenitude do mistério que define a Igreja como santa e sua divina apostolicidade reside inequivocamente no dogma da transformação do pão e do vinho no corpo e sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Deus que se fez homem. De igual modo, urge ressaltar a manifestação teológico-pastoral de São João Paulo II, que inicia a Encíclica ECCLESIA DE EUCHARISTIA, a primeira de seu pontificado, reafirmando esse dogma de fé: “A Igreja vive da Eucaristia. Esta verdade não exprime apenas uma experiência diária de fé, mas contém em síntese O PRÓPRIO NÚCLEO DO MISTÉRIO DA IGREJA.” Se não bastam os testemunhos desses santos, busquemos a admoestação do Apóstolo dos Gentios: “Portanto, qualquer que comer este pão, ou beber o cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor.” (1ª Carta de São Paulo aos Coríntios, 11.27). Escusado dizer que neste postulado cristão, enunciado reiteradamente ao longo da história da Igreja, os incréus não acreditam; ao contrário, o abominam como fizrloseram o senhor Fernando Haddad e a senhora Manuela d’Ávila durante suas trajetórias públicas. Todavia, dolorosamente, há que se admitir que o escândalo maior foi praticado pelo sacerdote que deu a comunhão eucarística aos incréus. Para tal situação valem as palavras do padre-teólogo Thomas G. Weinandy, sobre outro caso, mas de semelhante feição: “O escândalo é a consequência pastoral pública de permitir que a Sagrada Comunhão seja recebida por pessoas impenitentes e em pecado grave.”

sexta-feira, 20 de julho de 2018

EU CREIO

                                                                             

Barros Alves

Eu creio em Deus, o Todopoderoso,
Creio no Filho e no Espírito Santo,
A Trindade que cobre com seu manto
Todo o mundo num gesto piedoso.

Eu creio na Igreja, Santa Madre,
E no seu católico Magistério,
Que guarda na doutrina o bom critério
E tem como guia o Santo Padre.

No ventre virginal da Mãe Maria,
Sem mancha, sem pecado original,
Fez-se o mistério da concepção.

E essa Verdade, Luz que me alumia,
Dada me foi por prêmio divinal
Por graça e fé, Palavra e Tradição.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

DESATINO

Barros Alves 
                    
A um desesperado


Existe um Deus? Existe uma Verdade?
Sei bem que existe um mundo indiferente,
Que cambaleia como um ser demente
E que se ceva sempre na Maldade.

O Todopoderoso Onipotente
Passa ao largo de tal calamidade,
Nada ouve, nem vê, nem tem vontade
De resolver problema tão premente.

Para onde vai a turba tresloucada?
Por que não a socorre o Sempiterno
Nessa misteriosa caminhada?

Parece que o olhar do Padre Eterno
Segue essa multidão desesperada
Até o fim, no fogaréu do Inferno.

segunda-feira, 7 de maio de 2018

ARTE E FRAUDE



                                                                        

Barros Alves

Nos dias que correm têm-se apresentado aos consumidores de arte, em museus e galerias, alguns artistas com obras que se assemelham àquelas que são expelidas pelo organismo dos animais depois do devido metabolismo. Exposições e “instalações” que trazem o sinete do maleável e adaptável caráter desses pseudo-artistas, não passam de uma fraude para ludibriar pedantes ou personalidades ignaras, que confundem a grandeza de uma obra de arte com um arremedo dela. A propósito, vale citar, por oportuno, o depoimento insuspeito de um incensado artista do século XX, Pablo Picasso: “Desde que a arte não é o alimento que melhor nutre, o artista pode exercer seu talento procurando todas as formas e todos os caprichos de sua fantasia e todos os caminhos do charlatanismo intelectual. Na arte o povo não encontra consolação nem exaltação. Porém, os refinados, os ricos, os ociosos, os destiladores de quintessências procuram a novidade, o estranho, o original, o extravagante, o escandaloso. Eu mesmo contentei, desde o Cubismo e muito antes, a todos esses críticos com todas as embromações que me ocorriam. E eles tanto mais me admiravam quanto menos me compreendiam. À custa de todos esses jogos, desses quebra-cabeças e desses arabescos, fiz-me célebre rapidamente. E a celebridade significa para o pintor, vendas, fortuna e riqueza.” Picasso, numa tão sincera quanto corajosa autocrítica, afirma que a sós com sua solidão não se considerava um artista no sentido lato que o termo comporta: “Porém, quando fico só comigo mesmo, não posso considerar-me um artista no grande sentido que esta palavra possui.” E Picasso arremata, para decepção dos inovadores que produzem essa coisa que chamam de arte, mas não passa de uma baboseira de conteúdo ideológico indefinível: “Grandes pintores foram Giotto, Ticiano, Rembrandt e Goya. Eu sou apenas um embromador que compreendeu seu tempo e tirou o que pôde da imbecilidade, da vaidade e da ganância de seus contemporâneos.” Diante de tão expressivo depoimento, escrito por um artista considerado genial pela crítica e pelo público, só nos resta compreender que situação pior é a dos autores dessas “instalações” inspiradas por um sentimentos iconoclastas de destruição dos valores mais caros ao povo cristão. Eles constituem tão-somente um grupelho de desajustados, cujo desequilíbrio mental os faz pensar que são artistas quando não passam de pobres diabos.

CAMILICES




                                                                               

Barros Alves

O vocábulo que encima estas linhas pode ser objeto de muitas elucubrações semânticas. Mas, me conservo no terreno da Política para explicá-lo. Não sem antes lembrar ao caro leitor que a Política é arte de bem gerir a coisa pública na busca do bem-estar do povo. Tal missão, tão honrosa quanto difícil, principalmente quando se está cercado de incompetentes e de oportunistas, não tem sido bem desempenhada pelo senhor Camilo Santana, governador do nosso tão sofrido quanto silente Estado. Não há exagero, portanto, se afirmarmos que do primitivo vocábulo “Camilo”, tem-se derivado em profusão as “camilices”, substantivo impróprio, no caso especial, que bem rima com mesmices, estultices, politiquices. A mesmice fica por conta da continuidade do governo antecessor, cheio de marmotas que agora começam a aparecer, a exemplo dos 150 milhões de reais (o projeto total passa dos 400 milhões) já enterrados na construção de uma “mansão pra peixe”, projeto esdrúxulo, megalomaníaco, exibicionista, sem qualquer vínculo com as prioridades da população. O governo das camilices não teve força nem vontade, nem força de vontade (com o perdão do malabarismo verbal) para dar à obra uma destinação mais consentânea com as necessidades do povo. O Ministério Público saberá fazê-lo, assim esperamos. Da insegurança pública nem falo, porque a situação é caótica e a incompetência do governo proverbial. A estultice fá-lo repetir que “está tudo sob controle”. Certamente sob o controle das organizações criminosas, segundo o entendimento da população acossada. Aliás, essa estultice é uma consequência natural de quem se submete à condição de fantoche de um grupo, cujo chefe maior se notabilizou pelo destempero político e pela instabilidade emocional, que o leva a desatinos verbais e até físicos, no trato com adversários e correligionários. Todavia, a rima mais bem posta e assentada para “camilice”, no terreno político partidário, é a (re)união do governador petista com o senador golpista, digo, emedebista, Eunício Oliveira. O governador que não tem vida política ensaia uma comédia. Pode ser uma tragicomédia. Seus chefes desancam o presidente do Senado, mas o governador do partido que acoima raivosamente os emedebistas de golpistas, e que vai beijar a mão do presidiário líder de seu partido em sinal de fidelidade e afeto, é o mesmo que para se reeleger, numa jogada mortal, vende a alma ao diabo, mandando às favas o discurso de protagonismo da boa Política. Engendra a nova união com o adversário sazonal, arrostando a ira dos patronos e os apupos da população.  Ora, diante de tudo o que se está vendo na seara das negociações pré-eleitorais no Ceará, é correto afirmar que o vocábulo “camilice” não apenas rima bem com politiquice. Talvez seja melhor rimá-lo com canalhice.  

quinta-feira, 26 de abril de 2018

BOTANDO A SAUDADE NO DEVIDO LUGAR

BarrosAlves

Saulo Ramos, jurista de renome falecido há alguns meses, também poeta, ocupou importantes cargos no governo da República ao tempo do presidente José Sarney, quando comandou com proficiência a Consultoria Geral da República, órgão que após a Constituinte viria a se  transformar na Advocacia Geral da União, criada por instâncias do preclaro advogado. “O Código da Vida”, com ser relato de um extraordinário caso judicial deslindado pela equipe liderada por Saulo Ramos, constitui, outrossim, obra de feição autobiográfica. Trata-se de um livro cuja leitura entusiasma, seja pelo ineditismo do caso narrado com certo suspense, seja pela leveza com que o autor conta suas idas e vindas, seus altos e baixos, suas peripécias desde os tempos de criança no ambiente rural, passando pela juventude estudantil e, posteriormente, no exercício do jornalismo, até os dias de causídico de inegáveis méritos, de assessor presidencial laureado pela fama; enfim, do homem que arrostou todos os obstáculos e venceu na vida às expensas de muito trabalho e dedicação à causa escolhida para dar norte à sua existência.
No “Código da Vida”, Saulo Ramos narra uma historieta que merece cotejamento. Talvez o ilustre mestre tenha recebido a informação original de forma  truncada. Ele dá conta de que no grupo  literário a que pertencia – e também o grande poeta Guilherme de Almeida – pontificava como improvisador emérito o poeta paraibano Eurícledes Formiga. À página 102 do livro, Saulo Ramos conta: “Uma noite, um expectador resolveu embaraçar o paraibano e o desafiou a improvisar sobre o tema ‘A saudade é um parafuso’. Ficamos todos gelados. Não tinha jeito de sair daquela encrenca. O tema era um desastre. Mas o poeta, calou, pensou um pouco e, com voz pausada e rouca, devolveu em sextilha com rima nas pares: ‘A saudade é um parafuso,/ Que, quando entra, não cai,/ Só entra se for torcendo/ Porque batendo não vai./ Depois que enferruja dentro,/ Nem destorcendo não sai.”
Consoante registro dos acreditados autores da clássica “Antologia Ilustrada dos Cantadores”, o professor e pesquisador Francisco Linhares e o cantador Otacílio Batista, com os quais tive a honra de privar da amizade, os versos compõem um poema de cinco estrofes, cuja autoria pertence ao cantador Antônio Pereira, natural de São José do Egito, município do sertão pernambucano. A versão tida por original e atribuída a Antônio Pereira é como segue:

Saudade é um parafuso
Que, na rosca, quando cai,
Só entra se for torcendo,
Porque batendo não vai;
E se enferrujar dentro
Pode quebrar, mas não sai.

A última das cinco estrofes do poema não é menos inspirada do que as demais:

Quem quiser plantar saudade,
Primeiro escalde a semente;
Depois plante em lugar seco
Onde bata o sol mais quente,
Pois, se plantar no molhado
Quando nascer mata a gente.

De minha parte, prefiro ficar com a versão apresentada na Antologia Ilustrada dos Cantadores, posto que aos autores credita-se grande autoridade na pesquisa e na na própria vivência nesse mundo maravilhoso da cantoria e da poesia popular onde vicejam os gênios da raça nordestinada.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

A DENSA E LÍRICA POESIA DE IDEUSMAR FAHEINA



                                                                            


                                                                  Barros Alves
 
A poesia está a caminho do cemitério nesses aziagos tempos de altas tecnologias a conduzir o homem para insensibilidade tal que o assemelham à máquina?  As novas invenções da ciência impelem os leitores para outros mundos fora do universo poético? Estas perguntas se unem a outras historicamente existentes tais como se a poesia é inútil ou se a arte poética não passa de um diletantismo estéril, praticado por personalidades com espírito boêmio que têm ojeriza ao utilitarismo dos pragmáticos. Mas, todas essas perguntas formuladas insistentemente ao longo do tempo, como questionamentos que retornam e se alteiam principalmente em tempos de crise, de modo paradoxal são respondidas pela vida eterna da Poesia, a qual, também insistentemente arma-se de um misterioso poder para arrostar as mazelas do mundo e, militando na imprescindível seara das palavras bem ditas/benditas – com o perdão do trocadilho – alteia-se para dizer de sua utilidade plena no cosmos.

Roman Jakobson compreendeu perfeitamente a grandeza da Poesia e sua importância magistral em face do mundo, da vivência de todos, da multidão, e de cada um. Ele observa nas QUESTÕES POÉTICAS que “A obra poética, no conjunto dos valores sociais, não predomina, não triunfa sobre os outros, mas não deixa de ser o organizador fundamental da ideologia, constantemente orientada para esse objetivo. É a poesia que nos protege contra a automatização, contra a ferrugem que ameaça nossa formulação do amor e do ódio, da revolta e da reconciliação, da fé e da negação. É somente quando uma época acaba de morrer, e quando se dissolveu a estreita interdependência entre seus diverso componentes, é somente então que,  do famoso cemitério da história, se levantam, acima de toda espécie de velharias arqueológicas, os momentos poéticos.”

Perfeito! A sensação que tive ao ler poemas e trovas enfeixados sob o título “Depois do amor... a poesia”, de IdeusmarFaheina, foi exatamente a de estar vivenciando um momento poético cuja transcendência está, como soe de fato ocorrer com as coisas que estão para além do tempo cronológico, grávida de magia, das ilusões do invisível e da grandeza simbólica que só a poesia faz refulgir na alma do leitor ávido ressurgências ditadas pelo amor e de sentimentalidades em face do cotidiano quase sempre nada poético. Faheina como que ultrapassa o impasse desse seco cotidiano em face da poesia e cheio de sentimentos nobres fixa lembranças, resgata recordações, traça perfis em versos que transfiguram realidades e afidalgam o tema do poema.

Num tempo em que o soneto se recompõe do esquecimento em que foi posto, o autor assinala a grandeza desse gênero poético de difícil lapidação escrevendo dezenas deles com esmero de texto e sonoridade, certamente inspirados em instantes de deslumbramento cheios de luminosidade sensorial e emotiva. Eis uma poesia que não deixa ir buscar no amor sua maior ventura, a despertar o sonho fazendo do onírico a celebração da vida, lugar único para a festa da felicidade.Confirma a expressão de Alceu Amoroso Lima, o Tristão de Athayde, de que “a poesia é um sexto sentido. E um sentido todo peculiar que dá aos que o possuem um visão pessoal das coisas, uma compreensão inverificável no mundo. Sentido, aliás, de designação toda arbitrária, pois há nele o poder de todos os outros, sendo a poesia uma forma especial de sensação, só o sentimento lhe dá alma e a inteligência forma. Há nela, portanto, uma síntese de sentidos e de faculdades que criam no indivíduo uma personalidade nova e particular.

Há de fato na poesia de Faheina essa transfiguração admirável das coisas, essa recriação de um novo mundo que desafia a realidade, formulado por intermédio do poder da quimera, de uma espécie de sexto sentido divino intrínseco nos poetas. O mundo dos poetas é um mundo maravilhoso, pois como dizia outro poeta, Homero Prates, “da harmonia secreta das coisas ele extrai a mágica centelha.”Faheina conseguiu com talento e inspiração extrair muitas centelhas de amor e poesia que colocou neste livro que ora vem à lume para prazer de quantos o lerem.